Yuri Fulone - Fernão Dias Paes [2019, Independente]

By Guz69 - dezembro 06, 2019


"No ano de 1674, partiu de São Paulo a bandeira liderada por Fernão Dias Paes, mais de 600 aventureiros seguiram para o norte em busca da lendária lagoa das Esmeraldas". É assim, com a inconfundível voz do ator/dublador/poeta Isaac Bardavid, que tem início mais um excelente trabalho solo do tecladista YURI FULONE, desta feita numa imersiva abordagem conceitual na língua de Camões, repleta de brasilidades que vão sendo ilustradas através de arranjos e instrumentações, assim como pelas imprescindíveis referências históricas. Yuri foi, há cerca de dois anos e meio, o primeiro músico entrevistado em minha rubrica Bastardos do Brasil, que tem sido desde então transmitida mensalmente na rádio Marcoense FM de Portugal. Naquela oportunidade em que promovia In the Steel You Can Trust, o recompilatório de seus 3 primeiros EP's, o músico paulistano já se encontrava a produzir esta nova obra que conta a história de Fernão Dias Paes, um dos mais famosos Bandeirantes do Brasil. Antes disso, ainda em 2017, lançou seu segundo álbum em longa duração Your Kingdom Will Fall pela editora norte-americanca Stormspell Records.


Fernão Dias é, juntamente com o português Raposo Tavares, os nomes mais famosos na expansão territorial do Brasil durante o período colonial, e não por acaso, seus nomes passaram a ilustrar importantes rodovias do País. Não obstante, os Bandeirantes também foram responsáveis pela escravização e extermínio de centenas de milhares de indígenas, fruto de uma incessante busca por ouro, prata e outras pedras preciosas, financiada é claro, pelo governo Português. No caso de Fernão Dias, sua obsessão eram as esmeraldas, as pedras verdes que julgou ter encontrado após 7 anos vasculhando terras de Minas Gerais. Naquele local simbólico, funda um arraial e ali se estabelece por quatro anos, quando eventualmente é acometido de febre de malária, e morre desconhecendo que suas pedras eram afinal turmalinas... Num passado recente do Brasil, muitas bandas de heavy metal tem buscado inspiração na cultura e história do País, resgatando personagens esquecidos de uma população sempre oprimida desde sua colonização. Sim, há heróis entre os oprimidos que merecem ser conhecidos e exaltados, no entanto Yuri preferiu contar a história de um opressor, alguém que "administrou" uma aldeia com mais de 5 mil índios escravizados, alguém que foi traído pelo próprio filho, e que por consequência disso o enforcou. Uma história rica de argumentos, sonhos e decepções, que é contada de forma simples e eficaz, em meia hora de música composta por Yuri Fulone, e executada de forma exemplar por seus cúmplices musicais do Liar Symphony. Pedro Esteves assina esta ótima produção nos estúdios Masterpiece em Guarulhos.

Os músicos escolhidos para acompanhar Yuri Fulone em apresentações ao vivo.
A toada folk da intro '1674' transporta o ouvinte para o meio da mata, por entre o burburinho de pássaros e insetos, embelezada pela encantadora voz de Nayara Camarozano. 'O Bandeirante' conta a missão e os desafios do aventureiro em busca de Esmeraldas, enquanto musicalmente finca pé no heavy metal épico, compassado, e sem precisar acelerar. Em 'Donos da Terra' a história dos verdadeiros "donos" do Brasil é contada quase como um tributo, num tema que começa com flautas e clima folk, abrindo caminho para um vigoroso Power Metal que não abdica de partes mais cadenciadas. Pelo meio mais uma narração, desta vez sobre o conflito com os índios Mapaxós, dando mote para um novo galopar em velocidade antes de terminar em seu belíssimo e compassado refrão. 'Quando Voltarás' retrata a angústia da esposa de Fernão Dias causada por sua ausência, num belo tema acústico embalado mais uma vez pela doce voz de Nayara. 'Traidor' é mais uma narração, e serve para introduzir 'O Enforcado', tema bem carregado de peso e emoção, retratando fielmente os sentimentos que envolvem traição, condenação e execução em família. O vocalista Nuno Monteiro merece aqui um elogio especial, pois ele não é só comparável com Eric Adams (Manowar), como por vezes ultrapassa em qualidade de interpretação, visto que não exagera nos agudos, e sua prestação é invariavelmente imaculada. 'As Esmeraldas' é introduzida por mais uma narração seguida de um sofrido doom, que traduz perfeitamente o sacrifício necessário para a conquista do almejado objetivo, após 7 anos de buscas. O tema ganha a velocidade do Power Metal, e é potuado por um solo de teclado de Yuri em tom bem "espacial". 'Final' repete o clima acústico da intro, conta com a última narração de Isaac sobre o desfecho da vida de Fernão Dias, e enaltece o lado positivo de suas incursões pelo Brasil. O álbum ainda conta com a faixa bônus 'Raposo Tavares', outro metal épico com clara influência de Iron Maiden (em versão sinfônica), que fala sobre o Bandeirante Português cuja bandeira Fernão Dias integrou no sul do Brasil em 1638. Musicalmente impecável, conceptualmente rico e interessante, Yuri Fulone sai vitorioso em seu primeiro trabalho escrito e interpretado em lingua mãe. Uma obra na qual recupera os feitos 'heróicos' de um personagem incontornável de nossa história, ao mesmo tempo que encanta com suas incríveis composições.

A triste morte de Fernão Dias Paes

  • Share:

You Might Also Like

0 comments