Asomvel 28/04/18 Mineiro Rock Bar

By Gustavo Scafuro - maio 12, 2018


Para fechar o mês de Abril com chave de ouro, pude conferir uma das 4 datas do ASOMVEL no Brasil, e de quebra conhecer o Mineiro Rock Bar. O local tem as limitações típicas de um bar periférico da cidade de São Paulo, porém vem se transformando num ponto de encontro habitual do pessoal que vive intensamente o underground na região de Osasco. Com os constantes shows que tem acontecido por lá nos últimos tempos, o local vem atraindo a atenção de fãs da capital também. Em atividade desde 2011, a casa tem recebido inúmeras bandas do metal nacional, e pontualmente alguns nomes do underground internacional tais como Skullfist, Ambush, Night Demon, Exumer, Blaze Bailey (ex-Iron Maiden) e Grim Reaper. Este último inclusive com regresso confirmado no mesmo local para o próximo dia 1 de Junho.

ASOMVEL
Cheguei cedo no local, pois haviam 3 bandas nacionais programadas para tocar a partir das 22h30, e fiquei admirado (pela negativa) com a escassez de público. Já passava das 23h quando a primeira banda da noite ainda fazia os últimos acertos de som em palco, o que passava uma imagem um pouco amadora do local. Isso sem falar no técnico de som, que corrigia algumas falhas com murros na mesa de som! O grupo Nightmare foi o primeiro a se apresentar, e conseguiram colocar diversos bangers a agitar em frente ao palco com seu som old school inspirado em bandas como Motorhead e Venom. O grupo tocou temas do EP "Old Metal for True Headbangers" e do Split "Motor Hell Raiders", dentre outros ainda inéditos. Em geral, as músicas são cruas e diretas, e se desenvolvem de forma similar, sempre descambando para partes rápidas com dois bumbos. O trio é encabeçado por Vlkoslak, multi-instrumentista e mentor do projeto, que ao vivo se concentra no baixo e voz.

NIGHTMARE
Na sequência foi a vez de Two Old Men, um duo de Santos, litoral de São Paulo. O "grupo" é formado por Cláudio Cardoso na guitarra/voz, e Paulo Ferramenta na bateria/voz de apoio, e juntos fazem igualmente um som old school que nos remete aos primórdios do black metal, ou seja, com inspiração direta de bandas como Celtic Frost e Venom. O projeto é relativamente recente, lançaram  apenas o EP "Don't Kiss Me Baby" em 2014, mas os músicos são bons e bem experientes. Mesmo assim achei a apresentação pouco coesa (contratem um baixista!) e desinteressante. O que acabou salvando o show foi a presença inusitada da esposa do vocalista, que lá pro final subiu ao palco para cantar e encantar na versão pesada que o grupo fez para "Rockin' in the Free World" de Neil Young. Sinceramente, acho que o duo deveria considerar a moça em sua formação, pois com certeza ganhariam atenção nos shows, não só pela presença de palco, mas como suporte vocal também.

TWO OLD MEN
Devido aos atrasos acumulados dos primeiros shows, o próximo grupo a subir foi nada mais nada menos que os estreantes em terrritório nacional, Asomvel! Por esta altura o recinto já estava bem composto, e o público sedento pela descarga de rock'n'roll pesado que se aproximava. O trio britânico tem uma história bem curiosa, pois um dos integrantes originais (Jay-Jay Winter) que fundou a banda, faleceu num terrível acidente automobilístico em 2010. No entanto o grupo seguiu em frente, recrutou novos integrantes, e vem mantendo a memória do finado músico bem viva, inclusive através de um festival criado em sua homenagem, o Full Moon Dog Festival.

RALPH (ASOMVEL)
Se a sonoridade do grupo já tinha muito de Motorhead, com a entrada de Ralph (filho do guitarrista Lenny Robinson), as comparações ficaram ainda mais intensas. Ele parece uma versão mais jovem de Lemmy Kilmister, não só visualmente, como também na forma de tocar e nos trejeitos em palco. O show foi muito bom, energético e arrebatador, tocaram músicas de seus 2 álbuns, "Kamikaze" de 2009 e "Knuckle Duster" de 2013, para além de alguns inéditos que deverão integrar o novo álbum.

LENNY (ASOMVEL)

Um dos temas mais aguardados era o inédito "World Shaker", cujo videoclipe causou muita polêmica na comunidade hard'n'heavy na internet, devido as similaridades ao já citado Motorhead. É preciso entender que o grupo de Lemmy existiu por mais de 4 décadas, e sua influência foi enorme nas gerações seguintes, assim como outros gigantes do heavy metal como Iron Maiden e Judas Priest. Sempre haverão bandas tentando emular a sua essência, e quiça abocanhar um percentual de sua popularidade. No caso do Asomvel, acredito que seja algo natural e não propositado. Estão lá todas as referências possíveis e imagináveis, mas não há nenhum rip off explícito em suas músicas.

RALPH (ASOMVEL)
Destilando seu rock'n'roll sujo e pesado, o Asomvel literalmente assombrou a todos os presentes com sua extrema humildade, coesão e entrega em palco. Claro que houve alguns contratempos técnicos, a voz de Ralph por exemplo, não se destacava no meio da massa sonora, porém sua prestação foi tão boa que o público pouco se importou, agitando muito, e pedindo mais a cada pausa entre as músicas. Após o show, o Jean da Praelii Produções sobe ao palco para anunciar que ainda haveria mais música com a banda Arma, porém para mim já tinha dado, eram 2 da matina e eu tinha ensaio marcado no domingo bem cedo. De qualquer forma saí de lá satisfeito, e procurarei voltar mais vezes.

Incluí o tema inédito "Steam Roller" ao vivo deste show no video de nossa agenda do mês de Maio. Confira no player abaixo a ótima passagem do Asomvel por Osasco, no Mineiro Rock Bar.



Texto e Fotos: Gustavo Safuro
Credenciamento: Praelii Produções

  • Share:

You Might Also Like

0 comments